Todas as postagens

Estimativa do PIB aponta SC com desempenho acima da média nacional

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE) informou nesta quinta-feira, 25, a estimativa do resultado do Produto Interno Bruto (PIB), que aponta um desempenho acima do previsto para o país, mesmo em meio à pandemia. Enquanto dados do Fundo Monetário Internacional (FMI), mostram uma retração de 4,5% para a economia brasileira em 2020 e de 3,5% para a mundial, Santa Catarina encolheu apenas 0,9% no mesmo ano. O resultado demonstra a competitividade da economia catarinense e a continuidade do avanço do Estado na participação no PIB nacional.

Para o secretário da SDE, Luciano Bulignon apesar da retração já esperada, os números mostram a força produtiva do Estado. “Vivemos tempos difíceis que a pandemia nos trouxe. Porém, o bom desempenho econômico do Estado e a sua competitividade diante das demais unidades da federação nos mostram um caminho de esperança. Temos um estado diversificado e um povo empreendedor, seguimos firmes, trabalhando em busca de um futuro de oportunidades”, avalia.

O economista da pasta Paulo Zoldan reforça que a recuperação do segundo semestre foi rápida. “Ainda que a economia se encontre distante do nível de produção do período pré-pandemia, a retração de 2020 foi menor do que a observada na crise de 2015 e 2016, quando o PIB estadual caiu 4,2% e 2%, respectivamente”, explica

Desempenho dos segmentos

Segundo estimativa da SDE, a agropecuária catarinense cresceu 2,6% em 2020, sendo que a pecuária teve alta de 6%. Já a agricultura retraiu 0,2%, devido a problemas de ordem climática. Mas, mesmo diante desta situação, o setor apresentou aumento das exportações e dos preços, especialmente das carnes suínas, dos grãos e da soja.

Outro setor que apresentou retração foi a indústria de transformação, 3,9%. Mesmo assim, ainda tiveram variações positivas no ramo nos segmentos de máquinas, aparelhos e materiais elétricos (+8,5%); máquinas e equipamentos (+6,7%); produtos de borracha e plástico (+3,3%) e de papel e celulose (+1,4%).  A fabricação de produtos alimentícios também teve um bom desempenho ao longo de todo o ano passado, mas perdeu fôlego no último trimestre e encerrou o ano com queda de 1,4%.

A construção civil continua o processo de retomada depois de um longo período de retração e cresceu 10,4% no ano passado, no embalo da recuperação do mercado imobiliário e também da autoconstrução, que se intensificou nesse período de distanciamento social. Já os serviços industriais de utilidade pública retraíram 28% em 2020.

O setor dos serviços, que representa o maior peso no PIB, retraiu 0,4%, a menor queda entre os 12 maiores estados produtores. O comércio, (+2,9%), os serviços prestados as empresas (+11%) e os domésticos (+0,1%), foram os únicos que tiveram variação positiva.

“No segundo semestre houve considerável melhora na performance do setor de serviços. Desta forma, o Estado mais uma vez vem despontando como um dos primeiros a retomar o crescimento econômico e a geração de emprego. Em 2020, foram gerados 53 mil novos postos de trabalho, o maior volume do país. Santa Catarina também apresentou a terceira maior taxa crescimento do trabalho formal (2,55%), entre as 15 maiores economias brasileiras, sendo a maior entre os estados do Sul e Sudeste”, finaliza Zoldan.

Mais destaques

Na análise geral de todos os Estados, Santa Catarina ficou na sétima colocação na produção de serviços, atrás apenas do Norte e Nordeste. Em relação à indústria, SC também avançou no ranking dos 14 maiores e chegou no fim do ano com o sexto melhor desempenho. E no comércio, o volume de vendas do varejo ampliado foi o maior do Sul do país e superou as maiores regiões do Sudeste, encerrando o ano com o quarto melhor crescimento.

Estes, entre outros detalhes, estarão disponíveis na nova edição do Boletim de Indicadores Econômico-Fiscais de Santa Catarina, que será lançado em breve.

Coronavírus em SC: Governo do Estado amplia leitos de terapia intensiva e de retaguarda em Santa Catarina

O Governo de Santa Catarina trabalha intensamente no enfrentamento à pandemia da Covid-19. Diversas frentes de autuação estão em andamento para dar assistência aos catarinenses, uma delas é a expansão da rede de atendimento aos pacientes. Nos últimos 30 dias, houve a pactuação para a ampliação de mais 220 leitos clínicos de retaguarda e 130 leitos de terapia intensiva em diversas regiões do estado.

Além dos 165 leitos de retaguarda divulgados na terça-feira, 23, houve a pactuação para ampliação de mais 55 novos leitos nas seguintes unidades: Hospital São Francisco, em Concórdia (15 novos); Hospital da Polícia Militar, em Florianópolis (10); Hospital Santa Luzia, em Ponte Serrada (10); Hospital e Maternidade Santo Antônio, em Guaramirim (10), e no Hospital São Luiz, em Campo Alegre (10).

Em relação aos leitos de terapia intensiva, além dos 110 divulgados no início da semana, outros 20 foram pactuados para o Hospital Regional do Oeste, em Chapecó. Além da pactuação destes leitos, o governador Carlos Moisés afirmou que, caso necessário, o Estado dispõe de R$ 600 milhões para ativação de leitos de UTI na rede privada.

Vacinas e respiradores enviados pelo Ministério da Saúde

Nesta quarta-feira, 24, o Estado recebeu, via Ministério da Saúde (MS), 107,7 mil doses da vacina AstraZeneca/Fiocruz e Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan. Os imunizantes já estão sendo encaminhadas aos municípios, para que seja dada a continuidade na imunização dos grupos prioritários. O Estado segue alinhado com o Plano Nacional de Imunização, porém dispõe de uma reserva de R$ 300 milhões para aquisição de vacinas, se necessário.

Foto: Mauricio Vieira / Secom

Também nesta quarta-feira, 25, o MS encaminhou 100 ventiladores pulmonares a Santa Catarina. São 50 ventiladores pulmonares de transporte da marca KTK e 50 ventiladores para UTI da marca Vyaire Medical. Os equipamentos irão atender a demanda urgente das unidades de saúde.

O Estado solicitou também ao Ministério da Saúde uma remessa de medicamentos do kit intubação para atendimento aos pacientes Covid-19. No que se refere aos estoques de oxigênio, a Secretaria de Estado da Saúde confirmou, junto à empresa White Martins, que é responsável pelo abastecimento, que há a disponibilidade do insumo para atendimento da demanda.

Na tarde desta quarta-feira, 24, o Governo de Santa Catarina adotou novas medidas, estabelecidas no Decreto nº 1.168, buscando desacelerar a curva de contágio da doença.  Além dos novos protocolos, também foi anunciado um reforço de 500 policiais militares para atuar diretamente na fiscalização das novas determinações. O estado de calamidade pública foi estendido até 30 de junho.

DECRETO ESTADUAL REGULAMENTA LEI QUE AUTORIZA ATENDENTE DE FARMÁCIAS A RECEBER E ENCAMINHAR DENÚNCIAS CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

O governador Carlos Moisés editou o Decreto nº 1.163/2021 regulamentando a Lei 17.985/2020 que autoriza atendentes de farmácias e drogarias a receberem comunicado de violência doméstica e familiar contra a mulher. A medida é válida durante a vigência do estado de calamidade pública para enfrentamento da Covid-19 em Santa Catarina.

A normativa, publicada no Diário Oficial do Estado nesta segunda-feira, 22, estabelece que as denúncias recebidas pelos estabelecimentos devem ser encaminhadas imediatamente às autoridades competentes para serem adotadas medidas protetivas necessárias e cabíveis.

Caberá ao atendente fazer a comunicação presencial na Delegacia de Polícia mais próxima ou pelo número 181 do Disque Denúncia. O decreto também autoriza o profissional a passar as informações do denunciante, como nome, endereço e contato, via mensagem para o Whatsapp ou Telegram no número (48) 98844-0011.

As denúncias recebidas pelos canais da Polícia Civil de Santa Catarina serão encaminhadas às autoridades policiais para conhecimento e providências legais pertinentes.

Conforme previsto, por motivo de segurança, o denunciante poderá utilizar a frase “Preciso de Máscara Roxa” para receber ajuda do atendente no estabelecimento.

O decreto tem validade durante a vigência do estado de calamidade pública em Santa Catarina em decorrência da pandemia de coronavírus ou de outro dispositivo que venha a complementá-lo ou substituí-lo.

(Fonte: Assessoria de Comunicação da Casa Civil)

CARLOS MOISÉS E PREFEITOS CATARINENSES VÃO DISCUTIR MEDIDAS CONTRA O CORONAVÍRUS

O cenário é de alerta em Santa Catarina. A ocupação de leitos de UTI ultrapassou os 90% neste domingo (21). Durante o final de semana, o governo do Estado fez reuniões para discutir o cenário e já desenhou uma programação para os próximos dias. Uma das agendas será a reunião entre o governador Carlos Moisés da Silva e prefeitos das maiores cidades do Estado para discussão de medidas contra o avanço da doença. O encontro deve ser entre esta segunda e terça-feira.

Pela programação da secretaria de Estado da Saúde, uma reunião ocorre na manhã desta segunda com o governador e o Grupo Gestor do Governo (GGG), que envolve os principais secretários. Logo a seguir, em até 24 horas, será feito encontro com os prefeitos para a tomada de decisão.

Equipes da Secretaria de Estado da Saúde estão viajando a diferentes regiões para acompanhar o cenário. No final de semana, o secretário André Motta Ribeiro esteve em São Miguel do Oeste, enquanto superintendentes da pasta foram a unidades da Grande Florianópolis. Neste começo de semana os servidores vão a Joinville, Itajaí e Criciúma.

Motta Ribeiro segue no Oeste e retorna nesta terça-feira (23). Há contatos diários entre a secretaria de Estado e os municípios por telefone. De acordo com o secretário, o cenário atual é “complicado”. Na última semana, foram emitidos alertas para todo o Estado.


POR: ÂNDERSON SILVA – NSC TOTAL

Gasolina tem reajuste no preço pela 4ª vez em 2021

A PETROBRAS (Petróleo Brasileiro S.A.), anunciou nesta quinta-feira (18), mais um aumento nos preços médios de venda dos combustíveis, nas refinarias. Este é o quarto aumento da gasolina e o terceiro do diesel, somente nesses dois meses de 2021, que começa a valer a partir desta sexta-feira 19 de fevereiro.

O litro da gasolina nas refinarias acumula alta de 34,78% desde o início do ano e o diesel subiu 27,72% no mesmo período.

Em nota nesta quinta, a Petrobras afirma que esse alinhamento “é fundamental para garantir que o mercado brasileiro siga sendo suprido sem riscos de desabastecimento pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras”.

Diante de reclamações do setor de transporte sobre o valor dos combustíveis, o governo vem falando em alterar a estrutura de tributação do setor. No último dia 5, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo avalia um projeto para estabelecer um valor fixo do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre combustíveis ou a incidência do ICMS sobre o preço dos combustíveis nas refinarias.

 

Entenda o aumento no gráfico:

 

Fonte: TopElegance

Em reunião com governadores, Pazuello afirma que Ministério da Saúde prevê imunizar 100% da população dos grupos prioritários até junho

O governador Carlos Moisés participou do debate em torno da vacinação contra a Covid-19, que reuniu chefes de Estado integrantes do Fórum de Governadores e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. O encontro foi via webconferência, na tarde desta quarta-feira, 17. Se o cronograma do Ministério da Saúde, apresentado na reunião, correr dentro do previsto, até junho deste ano, cerca de 40% da população catarinense poderá estar vacinada.

Aos governadores, o ministro afirmou que a previsão é vacinar 100% da população brasileira que está nos grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização(PNI) até o mês de junho de 2021.

De acordo com o governador, em Santa Catarina, o número previsto pelo MS corresponde a uma população de pouco mais de 2,8 milhões de habitantes. “A vacina é nossa pauta principal e o Estado, como já vem fazendo, está pronto para distribuir as doses a todos os municípios, tão logo elas cheguem a Santa Catarina. Preparamos toda a logística com planejamento e bastante antecedência para que neste momento tão importante no combate à pandemia, os catarinenses, em todas as regiões, tenham acesso à vacina”, afirma Carlos Moisés.

Durante a reunião, o ministro Eduardo Pazuello também garantiu que todos os leitos de UTI habilitados para o tratamento da Covid-19 serão devidamente pagos. E que serão habilitados tantos quantos forem necessários, para atender os brasileiros que precisarem.

Vacinação no Brasil

Com base nos cronogramas de vacinação, o ministro informou aos governadores que até o fim de 2021, o Brasil poderá ter disponíveis, cerca de 454 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. Pazuello reforça que se trata de uma previsão, e que tudo precisa ocorrer dentro do planejado.

Na webconferência, o ministro elencou o número de doses de vacinas, que podem ser adquiridas pelo ministério e entregues aos estados. Pela previsão do Ministério da Saúde, somente da Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac, a expectativa é distribuir cerca de 100 milhões de doses até setembro deste ano.

“Temos uma previsão fantástica de chegada de doses e não mediremos esforços para que ela se mantenha, trazendo a vacina para todos os brasileiros”, reitera. Os imunizantes que estão no radar do MS, contemplam diversas vacinas com eficácia comprovada contra a Covid-19.

Prioridade é o SUS

O ministro Eduardo Pazuello ressaltou que o SUS deve coordenar todo o processo de imunização no país. “Qualquer alternativa que venha ser utilizada para a aquisição de doses será para atender o PNI (Plano Nacional de Imunização)”, frisa o ministro. Para Pazuello, essa é uma forma de garantir tratamento igualitário aos estados, municípios e a toda a população, com relação ao acesso à vacina contra o novo coronavírus.

Em sua fala, o ministro também disse que a união de todos fortalece a luta contra o coronavírus. “Temos um inimigo comum e ele não é político. Precisamos estar unidos para vencer a Covid-19”, conclama. O ministro enalteceu o trabalho de profissionais de saúde na missão de salvar vidas nos estados e municípios do Brasil.

Em reunião com os presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, governador apresenta pautas prioritárias de Santa Catarina

O governador Carlos Moisés, junto com demais integrantes do Fórum de Governadores,  participou de reunião virtual com os novos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. O encontro, na manhã desta sexta-feira, 12, abre formalmente o diálogo sobre a agenda prioritária dos chefes de estado no Parlamento.

Em seu pronunciamento, Carlos Moisés reforçou a necessidade de imunização da população contra a Covid-19. “É a nossa principal bandeira, precisamos sair da pandemia, através da vacina, para depois resgatarmos a normalidade das atividades do dia a dia das pessoas”. Carlos Moisés diz que é fundamental a regularidade e a definição de um calendário de vacinação para que os estados possam se planejar com atividades de retomada econômica em 2021.

O governador Carlos Moisés, junto com demais integrantes do Fórum de Governadores,  participou de reunião virtual com os novos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira. O encontro, na manhã desta sexta-feira, 12, abre formalmente o diálogo sobre a agenda prioritária dos chefes de estado no Parlamento.

Em seu pronunciamento, Carlos Moisés reforçou a necessidade de imunização da população contra a Covid-19. “É a nossa principal bandeira, precisamos sair da pandemia, através da vacina, para depois resgatarmos a normalidade das atividades do dia a dia das pessoas”. Carlos Moisés diz que é fundamental a regularidade e a definição de um calendário de vacinação para que os estados possam se planejar com atividades de retomada econômica em 2021.

Governo do Estado irá fornecer internet para alunos e professores da rede estadual acessarem atividades remotas

Alunos e professores de escolas estaduais poderão estudar e planejar as atividades do modelo remoto com internet cedida pelo Governo do Estado a partir do início do ano letivo, marcado para 18 de fevereiro. O anúncio foi feito pela Secretaria de Estado da Educação (SED), nesta quinta-feira, 11, no Instituto Estadual de Educação, em Florianópolis.

“Estamos comprometidos em garantir um retorno seguro às aulas. Nós entendemos que a escola tem que ser a extensão da família e precisa estar engajada nesse processo de cuidado. Com a internet, damos mais um passo para garantir que todos tenham acesso ao conteúdo cada vez mais inovador, seja em casa ou em sala de aula. Estamos aqui para apoiar o aprendizado desses estudantes e o trabalho dos professores, ainda mais essencial neste momento”, reforça o governador Carlos Moisés.

O investimento do Governo do Estado para adquirir pacotes de dados para acesso à internet pelo celular pode chegar a R$ 900 mil por mês. A iniciativa beneficia mais de 550 mil usuários, incluindo todos os professores e alunos da rede estadual, que poderão em algum momento estar inseridos no modelo de ensino misto ou 100% remoto.

>> Mais fotos na galeria

“A possibilidade de usar a internet de forma gratuita para acessar as atividades remotas irá democratizar a volta às aulas em Santa Catarina. Como sabemos que no dia 18 não retornarão todos os alunos para o presencial, considerando que também temos os modelos de ensino misto e remoto, a internet patrocinada será uma importante ferramenta para a qualidade da educação catarinense neste ano”, destaca o secretário da Educação, Luiz Fernando Vampiro.

Com o contrato assinado com as operadoras de telefonia, será possível acessar de forma gratuita as ferramentas do “Google for Education”, incluindo o Google Sala de Aula e as plataformas de atividades, formulários, produção de textos, entre outras. Também será liberado o acesso gratuito ao Professor e Estudante On-line e ao site da SED.

“A educação na rede estadual é feita por todos, temos uma rede engajada de profissionais em todas as regiões e estamos investindo na formação e qualificação do nosso quadro de pessoal tanto no âmbito pedagógico quanto no que diz respeito às diretrizes do Plano de Contingência da Educação (PlanConEdu)”, reforça o secretário-adjunto da Secretaria de Estado da Educação, Vitor Balthazar.

Para ter o acesso gratuito às ferramentas educacionais, o aluno ou professor deve fazer o download no celular de um aplicativo que será disponibilizado nos próximos dias para a rede. Ao abrir o aplicativo, o usuário deve preencher os dados de login ao Estudante ou Professor On-line e poderá conectar-se gratuitamente com os links que estarão disponíveis na página.

Apresentação dos protocolos para a retomada das aulas

Nesta quinta-feira também foram apresentados como serão os protocolos adotados pelas escolas da rede estadual para a retomada das atividades em 18 de fevereiro. Houve medição de temperatura de todos na entrada da unidade, disponibilização de álcool em gel em totens e dispensers pela escola, uso obrigatório de máscara e distanciamento social na sala de aula.

O retorno às aulas na rede estadual está previsto em três modelos, que podem coincidir. Para as turmas em que é possível receber todos os alunos e manter o distanciamento entre as carteiras, o retorno será 100% presencial. Na maioria dos casos, as turmas serão divididas em subgrupos que alternam entre atividades presenciais e remotas no regime híbrido. E para alunos e professores do grupo de risco, ou estudantes cujos pais optarem por manter o filho em casa, haverá a continuidade do modelo 100% remoto.

“Estamos garantindo uma retomada presencial segura, baseada em três pilares: estrutura física, de pessoal e equipamentos de proteção individual. Se em alguma escola essas três condições não forem atendidas, naquela unidade o retorno será no modelo remoto. Por isso a ampliação do 0800 644 7890, que funcionará das 7h até 19h, um canal aberto com a comunidade escolar para que possamos ter uma solução rápida para sanar os possíveis problemas”, explicou Luiz Fernando Vampiro.

Para garantir a segurança do retorno presencial, a SED investiu mais de R$ 8 milhões em máscaras, termômetros digitais e álcool em gel, além de totens e dispensers, que já foram entregues às escolas. As medidas para o retorno estão estabelecidas no decreto 1003/2020 e na portaria 983/2020, que tem como base o Plano de Contingência para a Educação, documento construído em conjunto por mais de 15 entidades e que detalha os protocolos para a retomada das atividades presenciais.

Santa Catarina registra melhor resultado orçamentário de todos os tempos

Santa Catarina alcançou um superavit orçamentário de R$ 1,86 bilhão em 2020, o melhor resultado orçamentário de todos os tempos. A receita total do Estado foi de R$ 29,95 bilhões, enquanto as despesas somaram R$ 28,08 bilhões. Os dados da Secretaria de Estado da Fazenda (SEF) foram apresentados nesta terça-feira, 9, em reunião do Grupo Gestor de Governo (GGG).

“Desde o início desta gestão, o Poder Executivo vem aplicando medidas de austeridade nos gastos públicos. Especialmente no ano passado, trabalhamos para minimizar os impactos da crise e da queda na arrecadação, focando no equilíbrio entre saúde e economia. Como resultado, Santa Catarina conquistou o maior superavit já registrado”, declarou o governador Carlos Moisés durante a reunião.

O resultado orçamentário representa a diferença entre a receita orçamentária realizada e a despesa orçamentária executada. Em 2019, Santa Catarina já havia conquistado resultado positivo, com superavit de R$ 162 milhões. No ano anterior, em 2018, o deficit orçamentário foi de R$ 1,1 bilhão. “O resultado positivo faz com que o Estado, além de cumprir as metas e mínimos constitucionais, possa investir em áreas prioritárias. Em 2020, aplicamos mais de R$ 1 bilhão de recursos próprios em investimentos, crescimento de 80% em relação ao ano anterior”, explica o secretário da SEF, Paulo Eli.

Os números apresentados fazem parte do Balanço Geral de 2020, que será entregue ao Tribunal de Contas de Santa Catarina (TCE) no próximo mês. A prestação de contas anual do Governo do Estado é composta de relatórios, demonstrativos contábeis e informações sobre o contexto administrativo, social e econômico. Conforme previsto no artigo 59 da Constituição Estadual, o parecer prévio do tribunal é emitido em até 60 dias após a entrega. No ano passado, a prestação de contas do Governo do Estado, referente ao primeiro ano de gestão do governador Carlos Moisés da Silva, foi aprovada por unanimidade e com o menor número de ressalvas da década.

SALÁRIO MÍNIMO REGIONAL PODE SUBIR 5,45% EM SANTA CATARINA

O salário mínimo regional de Santa Catarina deverá ter um aumento médio de 5,45% em 2021. Com isso, as quatro faixas do mínimo catarinense irão variar entre R$ 1.281,00 e R$ 1.467,00. O reajuste é fruto de um acordo entre as federações patronais e os representantes das entidades de trabalhadores do estado.

O resultado do acordo entre as entidades foi apresentado ao governador Carlos Moisés na tarde desta segunda-feira (08) durante um ato no Centro Administrativo. Agora, o Governo do estado encaminhará um projeto de lei à Assembleia Legislativa (Alesc) para oficializar o processo.

 

Segundo o governador, o projeto deverá ser enviado em regime de urgência ao parlamento, com um pedido para que não haja modificações, a fim de acelerar o processo. Carlos Moisés também destacou que este é o terceiro projeto de lei enviado por sua administração à Alesc sobre a atualização do mínimo regional. Ao todo, entidades patronais e sindicais chegam a acordos sobre o tema há onze anos consecutivos.

 

“Santa Catarina se destaca entre os estados brasileiros que possuem o piso regional, pois aqui ele nasce de comum acordo entre empregados e empregadores. É um exemplo para o Brasil o tipo de negociação que é feita em nosso Estado”, destaca o chefe do Executivo.

 

Na avaliação do presidente da Federação das Indústrias (Fiesc), Mario Cezar de Aguiar, o acordo entregue ao governador representa semanas de negociação intensa, porém respeitosa, entre os diferentes atores envolvidos no processo.

 

“Esse acordo dá uma demonstração de que, em Santa Catarina, as classes empresarial e laboral estão conversando de forma respeitosa e harmoniosa, encontrando caminhos para que o estado possa se desenvolver cada vez mais. É uma negociação dura, mas que se chega a um consenso, em que ambas as partes cedem”, relata Aguiar.

 

O coordenador sindical do Dieese em Santa Catarina, Ivo Castanheira, relembra que o acordo permitiu um aumento médio de 5,45% no Estado, acima do obtido em nível nacional. O salário mínimo brasileiro para 2021 foi estabelecido em R$ 1.100,00. “No nosso ponto de vista, diante da situação atual, com a pandemia, nós avaliamos que foi um acordo bom, pois nós recuperamos a inflação do ano passado. No momento que a economia crescer, nós vamos solicitar um aumento real. Vamos trabalhar de acordo com o crescimento do PIB, pois Santa Catarina tem uma economia diferenciada”, afirma Castanheira.

 

Saiba o valor do mínimo regional por faixas

 

O salário mínimo regional catarinense está dividido em quatro faixas, que abrangem diferentes setores da economia.

 

Na primeira faixa, o salário passará de R$ 1.215,00 para R$ 1.281,00. Estão contemplados trabalhadores da agricultura e da pecuária; nas indústrias extrativas e beneficiamento; em empresas de pesca e aquicultura; empregados domésticos; em turismo e hospitalidade; (Redação da alínea revogada pela LPC 551/11); nas indústrias da construção civil; nas indústrias de instrumentos musicais e brinquedos; em estabelecimentos hípicos; empregados motociclistas, motoboys, e do transporte em geral, com exceção dos motoristas.

 

segunda faixa verá o seu salário passar de R$ 1.260,00 para R$ 1.329,00 Esse grupo contempla os trabalhadores nas indústrias do vestuário e calçado; nas indústrias de fiação e tecelagem; nas indústrias de artefatos de couro; nas indústrias do papel, papelão e cortiça; em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas; empregados da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas; empregados em empresas de comunicações e telemarketing; e nas indústrias do mobiliário.

 

terceira faixa passará a ter um salário mínimo de R$ 1.404,00 (antes R$ 1.331,00). Compõem esse grupo os trabalhadores nas indústrias químicas e farmacêuticas; nas indústrias cinematográficas; nas indústrias da alimentação; empregados no comércio em geral; empregados de agentes autônomos do comércio.

 

quarta faixa terá um mínimo de R$ 1.467,00 (antes R$ 1.391,00). Esse grupo contém os trabalhadores nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico; nas indústrias gráficas; nas indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana; nas indústrias de artefatos de borracha; em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito; em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares, em turismo e hospitalidade; nas indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas; auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino); empregados em estabelecimento de cultura; empregados em processamento de dados; empregados motoristas do transporte em geral; empregados em estabelecimentos de serviços de saúde.


FONTE: O MUNICÍPIO